https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/issue/feed Revista de Gestão Social e Ambiental 2021-10-04T22:42:42-03:00 Eliana Andréa Severo rgsaeletronica@gmail.com Open Journal Systems <p>A <strong>Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA </strong>é uma publicação de caráter científico que visa ampliar a discussão e disseminação da temática socioambiental, resultante de pesquisas acadêmicas. Sua linha editorial está assentada em temas que dizem respeito às áreas de gestão e de política socioambientais das organizações.</p> <p>A RGSA aceita artigos submetidos nos idiomas português, inglês e espanhol. O Comitê Científico está comprometido com o propósito de, gradativamente, desenvolver uma revista temática de alcance internacional, com a devida indexação em base de dados bibliométricos.</p> <p>A classificação no sistema QUALIS/CAPES realizada para o quadriênio 2013-2016 nas seguintes áreas foi: - B1 em Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo; Planejamento Urbano e Regional/Demografia; Ciências Ambientais; e Psicologia - B2 em Economia; Interdisciplinar; e Ciências Agrárias I - B3 em Engenharia III - B4 - em Artes e Engenharia I.</p> <p>RGSA <strong>adota a Licença de Atribuição CC BY do Creative Commons</strong> (<a href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" target="_blank" rel="noopener">https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/</a>). </p> https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/2714 Cultural Dynamics and Sustainable Consumption: a Perception of Brazilian Students in Germany 2021-10-04T22:35:55-03:00 Iveltyma Roosemalen Passos Ibiapina iveltyma.ibiapina@gmail.com Sérgio Henrique de Oliveira Lima shlima05@gmail.com Áurio Lúcio Leocádio aurioleocadio42@gmail.com Diego Sampaio Vasconcelos Ramalho Lima diegolima_sampaio@hotmail.com <p>The present study analyzed the influence of cultural determinants on the sustainable consumption behavior of individuals temporarily immersed in a foreign culture. Based on the framework proposed by Ceglia et al. (2015) for cross-cultural research on sustainable consumption, the study investigated the influence of material culture and communication and language systems on the sustainable consumption behavior of Brazilian exchange students living in Germany. The research adopted a qualitative interpretive design through an exploratory and descriptive approach. Data were collected through participant and non-participant observations and in-depth interviews with ten business students (six women) aged between 22 and 26. Students had to have studied at German universities for at least one semester to participate in the study. The results show that participants perceive the influence of cultural differences on their consumption behavior. In addition, both material culture (e.g., objects, institutions, and organizations) and language and communication systems (e.g., verbal and non-verbal communication) influence their sustainable consumption practices. Ultimately, this configures a dynamic process of adaptation to the new cultural context in which they live. The study innovates by bringing an empirical analysis of yet ill-understood cultural components. Such efforts complement current research and try to consolidate a broader cross-cultural research agenda on sustainable consumption.</p> 2021-09-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/2733 Tendências Teóricas do Gerenciamento de Riscos em Compras Públicas Sustentáveis: Uma Análise Bibliométrica A Partir das Bases Scopus e Web of Science 2021-10-04T22:36:35-03:00 Andre Luiz Trajano dos Santos eltrajano@gmail.com Augusto da Cunha Reis augusto.reis@cefet-rj.br <p>O gerenciamento de riscos (GR) tem se tornado um instrumento de mitigação de diversas variáveis que afetam as compras governamentais no curso de seu processo de uma aquisição pública mais sustentável. Este artigo tem por objetivo apontar tendências teóricas a partir de um estudo bibliométrico dos principais trabalhos sobre gerenciamento de riscos em compras públicas sustentáveis (GRCPS) quanto ao número de publicações por ano, quantidade de citações por autor e países que mais tratam dessa temática, além de identificar os autores mais relevantes no tema pesquisado bem como da convergência temática das palavras-chave das pesquisas realizadas. Para tal, as buscas foram realizadas nas bases científicas <em>Scopus</em> e <em>Web of Science</em> contemplando os anos de 2010 a 2020, identificando-se ao todo 89 trabalhos para análise bibliométrica por meio do pacote <em>bibliometrix</em> do S<em>oftware R Studio</em>. Assim, este trabalho tem sua relevância em contribuir com a análise da evolução dos estudos de gerenciamento de riscos em compras públicas sustentáveis ainda incipiente, uma vez que a pesquisa bibliográfica revela que existem poucos trabalhos no campo acadêmico que aplicam o conceito de gerenciamento de riscos às compras públicas. O estudo revelou que o interesse na gestão de riscos tem crescido na última década, apontando para uma discussão mais ampla sobre a integração e compartilhamento de dados para mitigar riscos. Contudo, a relação dos tipos de riscos os quais possam afetar a cadeia de suprimentos em função da adoção de critérios de sustentabilidade em compras públicas se mostra uma proposta a ser pesquisada futuramente.</p> 2021-09-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/2761 Não deixe azedar: condicionantes do desperdício alimentar à luz de marketing social 2021-09-28T17:19:41-03:00 Stephanie Ingrid Souza Barboza stephanieisb@gmail.com Flávio Perazzo Barbosa Mota fpmota@gmail.com Erielem Araújo do Nascimento erielemadm@gmail.com <p>Este artigo analisou os fatores que influenciam o desperdício alimentar no nível doméstico a partir da definição de um modelo de hipóteses para predição da intenção a redução do desperdício alimentar. Para o processo de coleta de dados, foi elaborado um questionário no <em>Google forms, </em>cujos respondentes foram acessados através das redes sociais de grupos relacionados a alimentação, resultando em 532 questionários. Os dados foram submetidos aos procedimentos de validação psicométrica dos construtos, a análise das medidas descritivas e a análise das hipóteses do modelo proposto. Os resultados apontam que o grupo predisposto a redução do desperdício alimentar é composto por: mulheres, indivíduos entre 21 e 35 anos, estudantes ou já graduados e que trabalham o dia inteiro. Tais resultados direcionam para a necessidade dos apelos de gênero além de outras possibilidades de segmentação dos programas de marketing social para redução do desperdício.</p> 2021-09-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/2731 Gestão Socioambiental em Pequenas e Médias Empresas 2021-09-28T17:10:26-03:00 Marcelo Augusto Viana Pereira mv_contador@hotmail.com Marcia Athayde Moreira mathayde@ufpa.br Cyntia Meireles Martins cyntiamei@hotmail.com Bruna Vaz da Costa de Moura bruna.moura@icsa.ufpa.br <p>As pequenas e médias empresas – PMEs são desafiadas a buscar soluções que promovam o crescimento econômico sem perder de vista a sociedade e o meio ambiente. Neste contexto, a pesquisa teve como objetivos identificar como ocorre a gestão socioambiental em pequenas e médias empresas, realizando associações entre o perfil dos entrevistados e suas práticas. Foi realizada uma pesquisa de natureza quantitativa de caráter descritivo e exploratório, baseada no resultado obtido em pesquisa de campo promovida junto a gestores de empresas enquadradas como PMEs. Ao total, foram 161 questionários respondidos no período entre outubro de 2019 e março de 2020. As análises mostraram que as PMEs realizam a implementação de programas de capacitação profissional, programas de bonificação e o fornecimento de auxílio refeição aos colaboradores, assim como realizam ações para a economia de energia elétrica e de água, o estímulo ao uso de caneca e a coleta seletiva de lixo. Foram observadas a influência do cargo exercido e do tempo de atuação sobre as ações socioambientais. Conclui-se que a gestão socioambiental pode ser utilizada como instrumento de aperfeiçoamento para PMEs e que, no campo da ciência, é relevante e inovador desenvolver e divulgar pesquisas para as organizações, empreendedores, gerentes e colaboradores, para que a temática socioambiental possa cada vez mais fazer parte do dia a dia dos cidadãos e assim possam transcender os muros das organizações, chegando também às comunidades, clientes, fornecedores e demais <em>stakeholders</em>.</p> 2021-09-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/2651 Práticas de Responsabilidade Social Corporativa e Desempenho Econômico e Operacional: O Caso da Firma Brasileira 2021-09-28T17:09:27-03:00 José Glauber Cavalcante dos Santos jglauber_cont@hotmail.com Emanoelle dos Santos Rumeu emanoellerss@gmail.com Nayana de Almeida Adriano nayanaadriano@hotmail.com Alessandra Carvalho de Vasconcelos alevasconcelos.ufc@gmail.com <p>A preocupação com o direcionamento dos recursos para atividades voltadas à Responsabilidade Social Corporativa (RSC) nas firmas, como estratégia de crescimento, tem ganhado destaque. Este estudo tem por objetivo analisar como o engajamento com práticas voltadas aos princípios da RSC relaciona-se ao desempenho econômico e operacional nas firmas brasileiras listadas na Bolsa Brasil e Balcão (B3). O estudo, com dados disponíveis para análise referentes ao período 2013-2017, é descritivo, quantitativo, englobando 381 empresas. O grau de envolvimento das empresas com práticas de RSC foi estabelecido a partir do indicador CSRHub®. O desempenho econômico e operacional foi verificado utilizando-se dados da Compustat®, sendo <em>proxies</em> o Retorno sobre Ativos (ROA) e o Fluxo de Caixa Operacional (FCO). Propôs-se um modelo econométrico segundo o qual o desempenho é variável dependente e a RSC independente. Os resultados sugerem que as empresas com maior desempenho mensurado pelo ROA e pelo FCO possuem maior escore de RSC. As evidências sinalizam a utilização estratégica da RSC como recurso de diferenciação, sendo possível alcançar melhoria no desempenho nas perspectivas de análise investigadas tendo em vista o comprometimento com práticas ambientais e sociais. O estudo contribui com o embate conceitual entre as teorias dos <em>shareholder</em>s e dos <em>stakeholders</em>.<strong></strong></p> 2021-09-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/2720 Avaliação da Produção de Biogás a Partir de Resíduos de uma Indústria de Celulose 2021-10-04T22:40:13-03:00 Alexandre vieira Sylvio asylvio@hotmail.com Ramon Souza Ferreira marromsf@hotmail.com <p>O biogás é um composto gerado durante o processo em que bactérias anaeróbicas degradam materiais orgânicos. Esse trabalho teve como objetivo avaliar a produção de biogás utilizando os resíduos sólidos gerados na indústria de papel Celulose Nipo-Brasileira localizada no município de Belo Oriente, estado de Minas Gerais. Foram implantados dez tratamentos com diferentes concentrações de resíduos coletado na indústria: lodo biológico (LB) proveniente do tratamento de esgoto gerado na indústria, o dregs (D) e a munha de carvão (MC) provenientes do processo de beneficiamento da celulose. Os tratamentos utilizados foram: 90%LB, 5%D, 5%MC; 80%LB, 10%D, 10%MC; 70%LB, 15%D, 15%MC; 60%LB, 20%D, 20%MC; 50%LB, 25%D, 25%MC; 50%LB, 40%D, 10%MC; 50% LB, 10% D, 40%MC; 70%LB, 30%D, 0%MC; 70%LB, 0%D, 30%MC; 100%LB, 0%D, 0%MC na relação peso. Os materiais foram misturados totalizando 0,1 kg para cada recipiente e condicionados em frascos de vidro (reatores) de 500 ml com adição de 100 ml de água, lacrados hermeticamente e mantidos no laboratório de química da água/UFVJM. O biogás gerado foi avaliado utilizando um manômetro digital com leituras semanais durante doze semanas. O tratamento que apresentou melhor resultado na produção total de biogás foi a mistura de 80% de lodo biológico, 10% de dregs e 10% de munha de carvão. Dos dez tratamentos, quatro não produziram biogás. Nestes tratamentos o teor de munha na mistura estava acima de 20%, indicando que quantidades elevadas deste elemento na mistura inibem a atividade microbiológica e a produção de biogás. Todos os demais tratamentos produziram quantidades significativas de biogás.</p> 2021-09-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/2722 Gestão Sustentável na Cadeia de Suprimentos da Indústria do Tabaco 2021-09-28T15:20:15-03:00 Gualter Baptista Junior gualterbaptista@unisc.br Heron Sergio Moreira Begnis heron@unisc.br <p>O sucesso empresarial não se resume aos resultados financeiros, pondera sobre a responsabilidade socioambiental, compreendendo a visão estratégia, por vezes de sobrevivência, interessando às organizações da cadeia de suprimentos, contemplar competitividade e sustentabilidade. Tal intenção é ainda mais desafiadora em setores econômicos considerados controversos. Partindo deste entendimento, o artigo tem como objetivo investigar a ação estratégica da Empresa Focal para o desenvolvimento da gestão sustentável da cadeia de suprimentos do tabaco em folha. Para alcançar este objetivo foi desenvolvido um estudo de caso centralizado na perspectiva de uma Empresa Focal representativa do setor. A análise está sustentada na perspectiva do tripé da sustentabilidade (<em>Tripple Bottom Line – TBL</em>) e da abordagem da gestão sustentável das cadeias de subimentos (GSCS). Como resultado, observou-se o desnivelamento informativo referente às práticas adotadas pela Empresa Focal ao longo de sua cadeia de suprimentos, especialmente junto aos fornecedores de suprimentos críticos, que demonstram não compreender a magnitude da sustentabilidade e sua implicação estratégica.</p> 2021-09-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/2739 Desperdício Alimentar em Residências no Estado do Rio de Janeiro: alternativas para redução 2021-10-04T22:42:42-03:00 Larissa de Oliveira Aragão larissa.oaragao@gmail.com Lilian Bechara Elabras-Veiga lilian.veiga@ifrj.edu.br Simone Lorena Quitério de Souza simone.quiterio@ifrj.edu.br Em contraste a um cenário global onde a fome atinge 8,9 % da população mundial, mais de 900 milhões de toneladas de alimentos são desperdiçados. Medidas de enfrentamento ao desperdício de alimentos estão em consonância com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, estabelecidos pela Organização das Nações Unidas, na Agenda 2030. O presente estudo apresenta possíveis alternativas para redução do desperdício alimentar em residências, setor que origina a maior quantidade de desperdício. Essas alternativas foram traçadas a partir dos principais fatores que influenciam a ocorrência do desperdício, identificados através de pesquisa de opinião, realizada com mais de 200 famílias no estado do Rio de Janeiro, Brasil. Os resultados apontam que medidas simples e aplicáveis a todos os consumidores, tais como educação ambiental, alternativas para uma melhor gestão e aproveitamento integral dos alimentos, podem reduzir significativamente o desperdício alimentar e consequentemente contribuir para o desafio de atingir segurança alimentar, sustentabilidade ambiental, desenvolvimento socioeconômico. 2021-09-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/2736 A RELAÇÃO ENTRE INVESTIMENTOS SOCIOAMBIENTAIS E DESEMPENHO FINANCEIRO: EVIDÊNCIAS DO SETOR ENERGÉTICO BRASILEIRO 2021-09-29T15:22:19-03:00 Joaes dos Santos Oliveira Mota joaesmota@gmail.com Márcio Sampaio Pimentel marcio.pimentel@ufrpe.br <p>Este estudo objetivou analisar a relação entre os investimentos em práticas socioambientais e o desempenho financeiro das empresas de capital aberto listadas na Bovespa, pertencentes ao segmento de energia elétrica que publicaram seus Relatórios Socioambientais entre os anos de 2015 e 2019. A metodologia aplicada é de natureza descritiva, documental e quantitativa. Os dados socioambientais foram obtidos por meio da análise dos relatórios socioambientais, especificadamente no Balanço Ibase, enquanto os dados financeiros foram coletados no<em> site</em> da Bovespa. Para a amostra, com 14 empresas, foram aplicadas técnicas de análise estatística dos dados, como estatística descritiva, correlação e regressão com dados em painel. Os resultados evidenciaram que os investimentos em ISI foram os mais expressivos, em termos de valores. Observou-se correlação negativa e significativa entre as variáveis ISI e ROA e positiva e significativa entre ROE e ROA, a primeira correlação indica, <em>a priori</em>, que quanto menor for o valor do retorno dos ativos das empresas, maior será os investimentos sociais. Quanto aos resultados da análise de regressão, os indicadores ROA e ROE obtiveram achados estatisticamente iguais em relação aos investimentos socioambientais e o porte das companhias, com exceção da variável ISI, a qual indicou que o investimento nos colaboradores gerou retorno positivo e significativo para os acionistas da empresa, o mesmo não foi observado para o retorno dos ativos, que teve relação negativa e significante.</p> 2021-10-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/2258 CONSERVAÇÃO CONSPÍCUA: O PAPEL DO DESEJO DE STATUS NO CONSUMO VERDE 2021-08-09T00:00:49-03:00 Manoela Costa Policarpo manoelacpolicarpo@gmail.com Edvan Cruz Aguiar edvan.ed@gmail.com <p>O artigo verificou o papel do desejo de status sobre as atitudes do consumidor, intenção de compra e percepção de benefícios autoexpressivos no comportamento de compra de produto verde. A partir da Teoria da Ação Racional e da Teoria da Sinalização Onerosa, foi associado o comportamento de consumo verde à conservação conspícua. Assim, realizou-se um experimento com estudantes de graduação (N = 116). Os resultados evidenciaram que o desejo de status influencia positivamente o comportamento de consumo verde em contextos conspícuos, mais especificamente nas situações em que a compra verde é visível e pode sinalizar status. Porém, os benefícios autoexpressivos não foram influenciados pelo desejo de status. Este achado sugere que benefícios autoexpressivos assume um papel de antecedente do desejo de status. O trabalho consubstancia o argumento de que consumidores com desejo de status apresentam maior propensão a se envolver neste tipo de consumo, como forma de sinalizar preocupação ambiental para os outros e, assim, benefícios sociais. O trabalho contribui ao evidenciar que fatores sociais, como o desejo de status, são determinantes na promoção do comportamento de consumo verde.</p> 2021-10-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista de Gestão Social e Ambiental