Gerenciamento de Resíduos do Óleo Lubrificante: Uma Revisão Sistemática da Literatura
PDF

Palavras-chave

Logística Reversa
Meio Ambiente
Rerrefino
Sustentabilidade

Como Citar

Gonzaga, N. da C., Silva, R. N. da, & Andrade, L. P. de. (2021). Gerenciamento de Resíduos do Óleo Lubrificante: Uma Revisão Sistemática da Literatura. Revista De Gestão Social E Ambiental, 15, e02812. https://doi.org/10.24857/rgsa.v15.2812

Resumo

Objetivo: analisar a importância econômica e ambiental do processo de rerrefino do óleo lubrificante usado ou contaminado, bem como, debater o seu atual cenário.

Referencial teórico: A Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR 10004 (ABNT), classifica o Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado (OLUC) como resíduo perigoso. O gerenciamento correto do OLUC torna-se um desafio da sociedade atual, sendo imprescindível que se realize a sua reciclagem por meio do processo de rerrefino, a fim de evitar a contaminação da água, do solo e do ar.

Método: foi realizada uma revisão sistemática da literatura a partir do resgate de artigos científicos indexados nas bases de dados da Scielo, Scopus e Google Scholar. Após uma breve triagem, foram selecionadas 16 experiências.

Resultados e conclusão: o gerenciamento adequado dos óleos lubrificantes usados se alinha com ideias discutidas mundialmente, em termos de desenvolvimento sustentável, trazendo benefícios significativos na esfera social, econômica e ambiental. No entanto, faz-se necessário reestruturar práticas de gerenciamento do resíduo e ações para aumentar o desempenho da logística reversa.

Implicações da pesquisa: estímulo ao debate em torno da problemática do descarte do óleo contaminado ou usado no meio ambiente, como também, repensar maneiras de reuso de produtos perigosos.

Originalidade/valor: identificou os impactos que o gerenciamento incorreto do óleo lubrificante usado ou contaminado pode causar e pontuou os benefícios para a conservação ambiental, justiça social e o crescimento econômico.

https://doi.org/10.24857/rgsa.v15.2812
PDF

Referências

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas (2004). NBR 10004, Resíduos Sólidos: Classificação.

Almeida, J. M., Lisboa, A. P., Da Silva, C. W. & Paes, G. K. A. A. (2018). Análise da gestão ambiental do óleo lubrificante usado ou contaminado (OLUC) no município de Altamira-PA. Revista Delos: Desarrollo Local Sostenible, 11(32).

Amarante, I. C. S. (2019). Os impactos na saúde humana e no meio ambiente decorrentes do manejo e descarte indevidos dos resíduos de óleos lubrificantes. Revista Jus Navigandi.

Antunes, P. B. (2014). Direito Ambiental. (16ª ed.) São Paulo: Atlas.

APROMAC. Associação de Proteção ao Meio Ambiente de Cianorte (2005). Relatório de Gestão no Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA: justificativa da opção pelo rerrefino. Cianorte: APROMAC.

Audibert, F. (2006). Waste engine olis: Rerrefining and energy recovery. Elsevier, Oxford.

Barbieri, J. C., Vasconcelos, I. F. G., Andreassi, T. & Vasconcelos, F.C. (2010). Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições. Revista de Administração de Empresas, 50(2), 146-154.

Botelho, T. R. (2016). O reconhecimento do meio ambiente ecologicamente equilibrado como direito humano e fundamental. Publica Direito. Recuperado em 19 de out. 2021.<http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=ab73f542b6d60c4d >.

Boughton, B. & Horvath, A. (2004). Environmental Assessment of Used Oil.Management Methods. Environmental Science & Technology, 38(2), 353-358.

Brasil. Agência Nacional do Petróleo Gás Natural e Biocombustíveis. Painel Dinâmico do Mercado Brasileiro de Lubrificantes, Recuperado em 19 de out. 2021, de: <http://www.anp.gov.br/lubrificantes/5610-painel-dinamico-do-mercado-brasileiro-de-lubrificantes>

Brasil. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 362, de 23 de junho de 2005. Dispõe sobre o recolhimento, coleta e destinação final de óleo lubrificante usado ou contaminado.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, Senado Federal.

Brasil. Lei nº 12.305, de 2 de Agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos

Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências.

Brasil. Ministério de Minas e Energia. Portaria Interministerial nº 475, de 19 de dezembro de 2019. Recuperado em 28 de out. 2021, de https://www.gov.br/mme/pt-br/acesso-a-informacao/legislacao/portarias-interministeriais/portaria_interministerial_mme-mma_n_475-2019.

Capello, A., De Paula, A. M. A., Pradella, A. M. & Grando, M. L. (2015). Reaproveitamento do óleo lubrificante: uma solução para o futuro. Revista Tecnológica, 3(2), 268-283.

Demajorovic, J. & Sencovici, L. (2015). Entraves e perspectivas para a logística reversa do óleo lubrificante e suas embalagens. Journal of Environmental Management and Sustainability – JEMS, 4(2).

Guarnieri, P., Hass, D. & Monteiro, G. (2013). A mensuração dos efeitos financeiros e econômicos da logística reversa pela contabilidade ambiental. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, 4(2), 202-225.

Gusmão, J. S., Fraga, M. S. & Dias, J. S. (2013). A logística reversa aplicada aos óleos lubrificantes usados ou contaminados produzidos nos postos de combustíveis da cidade de Boa Vista-RR. Caderno de Ciências Humanas e Sociais Aplicada.

Grice, L. N., Nobel, C. E., Longshore, L., Huntley R. & DeVierno, A. L. (2014). Life Cycle Carbon Footprint of Re-refined versus Base Oil that is not Re-refined. ACS Sustainable Chemistry & Engineerig, 2(2), 158-164.

Hsu, Y. L. & Liu, C.C. (2011). Evaluation and selection of regeneration of waste lubricating oil technology. Environ Monit Assess, 176(1-4), 197–212.

Izza, H., Abdessalam, S. B., Bouida, M. & Haddd, A. (2018). Recycling of used motor oil as an alternative method for production feedstock for the conversion processes. Petroleum Science and Technology, 36 (19), 1511-1515.

Kapustina, V., Havukainen, J., Virkki-Hatakka, T. & Horttanainen, M. (2014). System analysis of waste oil management in Finland. Waste Management & Research, 7(1).

Leite, P. R. (2009) Logística Reversa: meio ambiente e competitividade (2a ed.), São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Lima, M.B.O. & Viana, E. (2016). Geração e gerenciamento dos resíduos sólidos em uma oficina mecânica. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 20(1), 533-551.

Martine, G. & Alves, J. E. D. (2015). Economia, sociedade e meio ambiente no século 21: tripé ou trilema da sustentabilidade? Revista brasileira de estudos de população, 32(3), 433-460.

Milaré, E. (2011). Direito do Ambiente: a gestão ambiental em foco: doutrina, jurisprudência, glossário (7a ed.). São Paulo: Revista dos Tribunais.

Mota, A. K. V. & De Figueiredo, G. L. A. A. (2017) Destinação do óleo lubrificante usado ou contaminado OLUC nas oficinas mecânicas em uma pequena cidade localizada no norte do Estado do Tocantins. Facit Business and Technology Journal, 3 (1).

Nascimento, J. F., Teixeira, V. V. N., Menezes, J. E. C. & Alves, K. R. C. P. (2016). A importância do gerenciamento de resíduos sólidos e sua logística reversa nos postos de combustíveis da cidade de Campina Grande-PB. Revista Produção e Desenvolvimento, 2(1), 64-76.

Nikolaidis, Y. (2013). Quality Management in Reverse Logistics. A Broad Look on Quality Issues and Their Interaction with Closed-Loop Supply Chains. University of Macedonia. London: Springer-Verlag.

Oliveira, A., Souza, R. D. S., Junior, P. D. S. P., Silva, W.S. & Fraia, R. B. (2017). Benefícios socioambientais e econômicos a partir do rerrefino de óleos lubrificantes usados. Revista Educação Ambiental em Ação, 16(60).

Pires, A. & Martinho, G. (2012). Carbon Footprint Analysis for the Waste Oil Management System in Portugal. British Journal Of Environment & Climate Change, 3(2), 278-287.

Rac, A. & Vencl, A. (2012). Ecological and technical aspects of the waste oils influence on environment. The 3rd International Conference on DIPRE. 18(1), 1-7.

Ribeiro, J. J. K., Chaves, G. L. D. & Muniz, E. P. (2018). Avaliação da Coleta de Óleo Lubrificante Usado e Contaminado no Município de São Mateus. Revista Gestão & Tecnologia, 18(1), 269-282.

Silva, V.P & Souza, S.K.S. (2020). Environmental characterization of a filling station from the standpoint of environmental adaptation. Research, Society and Development, 9(7).

Silveira, E. L. C., Caland, L. B. & Moura, C. V. R. (2006). Determinação de contaminantes em óleos lubrificantes usados em esgotos contaminados por esses lubrificantes. Química Nova, 29, 1193-1197.

Stocker, E., Samoel, J.O.B., Heringer, E. & Stocker, F. (2020). O processo da logística reversa e práticas de desenvolvimento sustentável: O caso da rerrefinação de óleo. Revista DELOS: Desarrollo Local Sostenible, 13(36), p. 22.

Tristão, J. A. M., Tristão, V. T. V. & Frederico, E. (2017). O processo de reciclagem do óleo lubrificante. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, 8(2), 224-238.

Willing, A. (2001). Lubricants based on renewable resources–an environmentally compatible alternative to mineral oil products. Chemosphere, 43(1), p. 89-98.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Neide da Cruz Gonzaga, Romário Nunes da Silva, Luciano Pires de Andrade

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...